HomeEstilos de Decoração

Dicas para fazer decoração anos 60

Dicas para fazer decoração anos 60
Like Tweet Pin it Share Share Email

Os anos de 1960 foram uma verdadeira explosão em arquitetura, design e arte. Pop art, psicodelismo, arquitetura sinuosa, plástico nos móveis, contracultura… foram muitas as tendências que marcaram esse período. A produção daquela época deu ao Brasil o reconhecimento internacional com os traços genuinamente brasileiros de designers, arquitetos, artistas plásticos como Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Lota de Macedo Soares, Roberto Burle Marx, Sérgio Rodrigues, Lina Bo Bardi, Athos Bulcão, Zanine Caldas, Joaquim Tenreiro e outros. A atmosfera da década rebelde ainda encanta muitas pessoas hoje, que volta e meia buscam no período ótimas referências para decorar a casa.

Marca daqueles tempos, a arquitetura harmoniosa e sinuosa são encantadoras. Se tem um produto que reúne essas duas qualidades, é o famoso cobogó. Forte tendência dos anos 50 e levada aos anos 60, esse tijolinho vazado de cerâmica voltou com tudo nos últimos anos e ganhou novas formas feitas de outros materiais, como madeira, vidro, porcelana. Muito usado para dividir ambientes sem bloquear a luz, hoje a peça decora diversos cômodos e ganha outras funções.

Cobogó - Figura 1 - Jeito de Casa

A peça é bastante indicada para locais quentes que precisam de circulação de ar. Das fachadas para dentro de casa, hoje encontramos o cobogó em salas, cozinhas, quartos, varanda, enfim, todas as partes! Experimente os modelos mais básicos para criar um mosaico na parede, como quadros, ou invista na divisão entre cozinha e área de serviço com uma parede no estilo. O preço do metro quadrado pode ir de R$ 40 a mais de R$ 800, dependendo do material escolhido.

Cobogó - Figura 2 - Google

A madeira foi outro ponto forte no design brasileiro da época. O jacarandá, muito usado na época, era conhecido pelo peso e resistência, mas ganhou traços mais leves com o design de Sérgio Rodrigues, Geraldo de Barros. Para dar um toque de anos 60 na sala, por exemplo, você pode investir numa cadeira grande de madeira (móveis gigantes eram tendência do período) ou com aspecto mais litorâneo, com peças de trama, como o modelo Eureka, do designer Giovanni Travasa. Invista também num buffet de traços limpos, como esse da Oppa Design, e móveis assimétricos, com um toque futurista, e bem almofadados.

Buffet Lumini - Figura 3 - Oppa Design

Indo para o outro lado, o plástico foi um estrondoso sucesso. Introduzindo esse material na decoração, o arquiteto e designer Verner Panton foi responsável pela cadeira Panton, que figura nas casas descoladas até hoje. O finlandês Eero Aarnio trouxe outras duas peças fundamentais do período: as cadeiras Pastilli e Ball. Para entrar no clima, experimente trocar os pufes por bancos de plástico coloridos. São super modernos e funcionais também.

Tam Tam Pop Henry Massonet - Figura 4 - Google

A década das cores e formas

Se você é uma pessoa apaixonada por cores, encontrou o estilo certo! A marcante combinação de tons e toda a psicoledia da década fizeram dos anos 60 um dos mais ricos. Vermelho, amarelo, marrom, verde, laranja formam a explosiva paleta. Todas as cores apareciam nos mais variados objetos, dos móveis aos utensílios domésticos. As casas mais ousadas eram um mix de tudo isso, mas se você não está preparado ainda para a viagem ao tempo, equilibre a decoração com objetos ou móveis de destaque nessas cores.

Sala 60 - Figura 5 - Pinterest

Os padrões são outro ponto de destaque. Sofás, tapetes, paredes, tudo ganhava círculos, retângulos, flores e linhas assimétricas. Papeis de parede e tecidos cumprem muito bem a reprodução desses traços hoje, sendo bem fáceis de encontrar nas lojas especializadas. Dica para entrar transformar o ambiente: tapetes e anos 60 são quase sinônimo, invista num belo exemplar para criar a ligação. Já nas paredes, os padrões psicodélicos e a pop art são bem-vindos. Não tenha medo de mesclar as obras. O efeito será fantástico no ambiente.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Comments (0)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *